Quanto custa demitir um funcionário?

Com tantos afazeres e burocracias do dia a dia, os gestores não se lembram de questões importantes para a empresa, como o valor da demissão de um funcionário. Afinal, quanto custo demitir um funcionário?

Esse questionamento é muito pertinente, pois a legislação trabalhista brasileira é bastante onerosa e penalizadora. Além disso, está havendo mudanças significativas que precisam ser conhecidas pelo administrador para que ele não tenha surpresas inesperadas.

A estratégia a ser adotada pelo administrador é admitir um colaborador qualificado para o cargo, instruí-lo, treiná-lo para que ele permaneça o maior tempo da empresa, aumentando sua produtividade e diminuindo o custo de uma demissão.

Quais são as verbas rescisórias?

Em primeiro, lugar precisamos saber quais são as verbas rescisórias.

Verbas rescisórias são os valores previsto na CLT – Consolidação das Leis Trabalhistas pagos aos funcionários

A legislação prevê diferentes valores dependendo da iniciativa da parte que rescindiu o contrato. Abaixo as hipóteses e as verbas:

Demissão sem justa causa

Quando a empresa dispensa o funcionário sem que o mesmo tenha causado prejuízo ou dano à empresa. As verbas são:

  • 13º salário: proporcionalmente aos meses trabalhados no ano;
  • férias: também proporcionalmente aos meses mais 1/3 constitucional;
  • saldo de salário: dias trabalhados no mês da dispensa e eventuais adicionais;
  • fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS): multa equivalente a 50% dos depósitos do FGTS do funcionário. Se aprovada a MP905/2019 – conhecida como Contrato de Trabalho Verde e Amarelo, 40% dos depósitos do FGTS do funcionário a partir de 2020;
  • aviso prévio: varia conforme o tempo de serviço (30 + 3 dias por ano laborado), que podem ser trabalhados ou indenizados, também deve ser somado 1/12 de férias e 13º salário como um mês comum.

Demissão por justa causa

Esse tipo de demissão acontece quando o funcionário comete uma falta grave que gere a sua dispensa como furto de bens, indisciplina e insubordinação, assédio sexual, agressões físicas etc. Nesse caso as verbas são:

  • saldo de salário;
  • férias vencidas com acréscimo de 1/3, se houver.

Pedido de demissão

Nesse caso o próprio funcionário pede o desligamento da empresa. Os custos são:

  • aviso prévio a ser cumprido pelo funcionário;
  • saldo de salário;
  • férias;
  • 13º.

Leia também: Lucro Real: Entenda o que é e como é tributado

Demissão acordada

Esse tipo de demissão é recente. Vem da reforma trabalhista. Aqui a demissão é consensual para os dois lados. O objetivo desse tipo de demissão é acabar com os acordos informais que eram bastante comuns no país. Nesse caso, são apuradas as seguintes verbas:

  • multa rescisória de 20% do FGTS;
  • metade do valor do aviso prévio, se indenizado;
  • férias vencidas, proporcionais e abono de 1/3;
  • 13º proporcional;
  • saldo de salário.

Quais são os custos indiretos na demissão?

Os custos não param por aí. Para que você entenda melhor, a empresa ao demitir um funcionário arca com outros custos que não constituem as verbas rescisórias. Esses custos muitas vezes não são vistos como custos de demissão, mas são sim. São os chamados “Custos Indiretos de Demissão”, aqueles gastos com a contratação, a substituição de funcionário entre outros. Confira eles a seguir.

Custo Hora/RH

O departamento responsável por contratação, demissão, treinamento, benefícios dos funcionários de uma empresa é o Departamento de Recursos Humanos – RH da empresa.

Quando uma empresa tem uma grande rotatividade dos funcionários, os custos desse departamento aumentam, pois esses profissionais terão mais trabalho com demissões, contratações, treinamentos, benefícios, entre outros, portanto, levando em conta esse raciocínio, quanto maior a rotatividade de uma empresa, maiores serão os gastos do seu negócio com o departamento. Esses custos têm que ser levados em conta como um custo indireto.

Hora extra

Quando um funcionário se desliga da empresa seu cargo ficará temporariamente vago, porém as operações da empresa não param, fazendo com que seja necessário remanejar funcionários para cobrir suas funções.

Tais funções geralmente são distribuídas entre colegas, fazendo com que haja temporariamente um acúmulo de funções, gerando, muitas vezes a necessidade de maior tempo de trabalho. Isso faz com que incida horas extras até que se consiga um novo profissional para ocupar esse cargo. Esse custo de horas extras é alto e deve ser considerado no cálculo, pois a empresa pagará o salário por hora acrescido de, no mínimo 50%, mas todos os encargos sobre esse valor.

Integração

Os funcionários quando contratados, precisam conhecer os processos da empresa, saber utilizar o software de gestão adotado e como desempenhar suas funções de forma a suprir as necessidades da organização.

Para tanto se faz necessário um treinamento de integração, gerando custos para a empresa de duas formas: o gasto do capital para treiná-lo e o tempo necessário até que ele atinja um grau de produtividade satisfatório para a organização.

Hora de treinamento dessa pessoa no setor

Dependendo do cargo a ser ocupado pelo novo funcionário, a quantidade de horas de treinamento pode ser muito alta, principalmente se houver complexidade no trabalho que será executado.

Esse tempo de treinamento tem que ser levado em conta, pois além do desembolso da pessoa que está treinando (que pode ser interno ou externo), a organização terá um funcionário que está sendo remunerado e que ainda não está trazendo benefícios produtivos e financeiros para ela.

Leia também: Reforma Tributária: Propostas e discussões

Qual a melhor maneira da organização reter os talentos que possui?

Quando a organização mantém um funcionário por bastante tempo ela também se beneficia disso. Um dos benefícios de mantê-los é a diminuição da taxa de turnover (rotatividade de funcionários da empresa), fazendo com que reduza os custos diretos e indiretos de demissão.

Com funcionários motivados, a organização ganha com o aumento de produtividade.

Como alcançar esse objetivo

Plano de Cargos e Salários

Um plano de cargos e salários é fundamental para estimular os funcionários aumentar a produtividade, desenvolver qualidades de liderança e criar novos projetos em prol da organização.

Recomenda-se que a progressão do profissional nesse plano de cargos e salários seja pelo alcance de metas e objetivos. Isso facilita para que o funcionário se esforce para alcançar os objetivos e assim progredir no plano.

Prezar pela segurança profissional

Empresas instáveis, com risco de falência ou diminuição que acarrete demissões, são fatores que fazem com que os funcionários não se dediquem completamente ao negócio e se concentrem a encontrar cargos mais seguros em outros lugares.

Com a segurança profissional, maior certeza de continuidade e sobrevivência do negócio, os colaboradores se sentem mais tranquilos e seguros de continuar na empresa.

Tornar o ambiente mais agradável

Outro ponto importante para o trabalhador é que o ambientes de trabalho não seja desagradável. Isso gera um clima de tensão para todos os colaboradores

Para solucionar essa questão, recomenda-se incentivar comportamentos amigáveis, conceder minutos de descanso além do intervalo para almoço e, principalmente, adotar um bom software de gestão.

Essa última dica reduz as atividades burocráticas, trabalhos estressantes e chances de erros, o que torna o trabalho mais leveprodutivo e agradável ao funcionário.

Pascon e Freitas é um escritório de contabilidade na grande BH que oferece um atendimento personalizado aos clientes, através da sua capacitada equipe técnica multidisciplinar.

Agende uma consultoria agora mesmo, ligue (031) 99468-4800 ou chame a gente no WhatsApp clicando aqui.